O primeiro filme de Charlie Kaufman, Sinédoque NY, esta para chegar aos cinemas brasileiros. O filme parece ser feito para confundir as pessoas que o vêem em qualquer lugar. Alguns podem achar brilhante, e outros podem achar de uma complexidade caótica, mas certamente servira de base incontáveis discussões cinematográficas por anos. Quando vi pela primeira vez, não consegui tirar muito sentido do filme. Então tentarei clarificar as intenções de Kaufman e tentar olhar mais profundamente em temas do filme. Pensei em virar Kaufman. Tudo começou com uma simples questão: O que significa a casa pegando fogo? A resposta de Kaufman, infelizmente, fez com que tudo ficasse ainda mais confuso e complexo.

Antes que nós cheguemos muito longe nisso, penso que é apropriado começar pelo básico (Com já fiz em post nesse mesmo blog). O que “sinédoque” significa? A palavra é uma figura de linguagem em que uma parte é usada para o todo ou vice e versa. Em relação ao filme, “sinédoque” esta se referindo a eventual decisão do personagem principal de construir um modelo em escala de Nova York em um galpão para botar uma produção sobre toda sua vida em um palco. Mas isso é só o começo, na verdade a intenção de Kaufman era escrever um roteiro para filme de terror, para que Spike Jonze pudesse dirigir. Com o passar do tempo, o projeto deu para trás, e saiu das mãos de Jonze e caiu nas de Kaufman que decidiu então dirigir ele mesmo. Então como exatamente um filme de terror virou isso? “Meu processo é começar pensando em algo e ver o que vem ” , explica Kaufman. “Eu prefiro explorar noções ao invés de escrever para um predeterminado fim. Isso possibilita que  estória cresça enquanto eu aprendo mais sobre o assunto”. Charlie Kaufman

Tenho certeza que qualquer pessoa que estiver interessada nesse filme já tenha visto o trailer, e lido a sinopse, mas nenhum desses realmente explica o que Sinédoque, Nova York é realmente sobre. É um filme que lida com morte, doenças, desespero, solidão, problemas de relacionamento, metafísica e corações partidos. “ O filme tem um monte de emoções sérias nele, mas é engraçado em um sentido estranho”, afirma Kaufman. O que é aparente no filme é que a maioria das coisas que acontecem a Caden Cotard (Philip Seymour Hoffman) são coisas que Kaufman ele mesmo esta aterrorizado, o que leva a noção de terror. É um filme engraçado sim, mas também complexo e expansivo (quando Caden começa a montar a peça) isso, na minha opinião, faz com que o filme torne-se menos do que está a tentar ser e mais o que você tira/faz dele.

Explorar o interesse de Kaufman em contar historias mais profundamente permite que nós comecemos a entender porque ele escolhe fazer o filme tão aberto para interpretações. “Estou interessado em sonhos e como nós nos contamos estórias em nossos sonhos”, explica Kaufman. “Deixe me ser claro, este filme não é um sonho, mas tem a lógica sonhadora. Você pode começar a voar em um sonho e no sonho é só, ‘ Sim, eu posso voar’- não é como você reagiria no mundo real. Então tudo que acontece nesse filme é para ser tomado no seu valor nominal, é o que está acontecendo. Esta Ok que isso não acontece na vida real – é um filme.” A cada depoimento que coloco só aparenta fazer as coisas piorarem, mas é assim que funciona com Kaufman.

Então vamos voltar a raiz de tudo – a pergunta que fiz quando comecei minha investigação. “ Você não deve se preocupar, ‘com que a casa pegando fogo significa?’ É uma casa pegando fogo que alguém mora – isso é engraçado. Você pode tirar mais dessa metáfora se ela falar com você, mas você não precisa. Espero que o filme funcione em vários níveis e pessoas consigam ler coisas diferentes dele dependendo de que eles são.” As intenções reais de Kaufman finalmente são reveladas, mas não ajuda a responder minha pergunta. Essa na verdade, Kaufman não quer que seja respondida. Ao invés, ele quer que eu tire qualquer conclusão ou olhe como somente mais um elemento do filme e não questione mais, como em um sonho. Aqueles que virão o filme talvez finalmente comessem a entender como esse filme foi feito.

Até esse ponto eu fiz meu trabalho – dei um pequena entrada na mente de Charlie Kaufman e introduzi você para algumas das dinâmicas em Sinédoque, NY. O próximo passo: ver o filme e começar alguma discussão. Você ficara mais confuso ainda tentando descobrir antes mesmo de você ver o filme. É um bom filme, não há o que questionar, é só uma questão de interpretação (se você assim decidir) ou pelo menos tentar tirar algum sentido. Para deixa você com uma ultima pequena sabedoria para ir ao filme, virarei Kaufman mais uma vez ( via esse Perguntas e Respostas da Variety). “ O que significa para mim é irrelevante porque, quando eu escrevo estas coisas e então fiz um filme, foi para você, algumas coisas irão ressoar a você e outras não, mas isso será diferente para cada pessoas e isso é excitante para mim, então eu agradeço a você”