Tue: 10-07-08

Festival Multiplicidade no Rio de Janeiro Traz D-Fuse e Peter Greenaway
O festival Multiplicidade_Imagem_Som_Inusitados comemora quatro anos e faz uma série de espetáculos especiais no teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro, e desta vez traz ao Brasil o cultuado coletivo inglês D-Fuse e o cineasta Peter Greenaway. Os espetáculo acontecem do dia 14 de outubro até 16 de dezembro.No dia 14 de outubro, os ingleses do D-Fuse, um dos criadores da cultura VJ no mundo, se apresentarão por aqui . O grupo é responsável pela “bíblia” sobre o assunto: “VJ: Audio-Visual Art and VJ Culture”. No dia 18 de novembro sobe ao palco o cineasta e multiartista inglês Peter Greenaway, apresentando a performance-cinema apresentada em São Paulo no ano passado. Encerrando, o coletivo carioca de artistas plásticos Chelpa Ferro aproveita a ocasião para comemorar 13 anos de existência e faz dia 16 de dezembro apresentação inédita com uma orquestra regida por Jaques Morelenbaum, maestro de Caetano Veloso. Os preços  das apresentações serão os mesmos do festival do ano passado: R$ 15,00 e meia-entrada a R$ 7,50.

Ao longo de 2005, 2006, 2007 e 2008, o Multiplicidade apresentou no Oi Futuro atrações expressivas e novas linguagens audiovisuais. Foram mais de 50 apresentações reunindo artistas como Fausto Fawcett & Os Robôs Efêmeros, Chelpa Ferro, Raul Mourão, Muti Randolph, Walter Alfaiate, SuperUber, Kassin, Siri, 6D Estúdio, Hurtmold, os DJs fundadores do site rraurl.com Camilo Rocha e Gil Barbara, Cabruêra, Apavoramento Sound System, Lucas Santtana, Binário, VJ Embolex, DJ Sany Pitbull, Chico Corrêa, Gabriela Maciel, Cadu, Belisário Franca, entre outros, além dos convidados especiais Arnaldo Antunes,Tom Zé, João Donato e Uakti e os artistas internacionais Carlos Casas, Sebastian Escofet, Diplo, Daedelus e Prins Nitram.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO:

dia 14 de outubro de 2008 . Terça-feira, 21 horas . D-Fuse apresenta Latitude

Após percorrer o mundo, passando pelos maiores festivais do planeta, o coletivo multidisciplinar inglês D-Fuse chega pela primeira vez ao Brasil. Fundado nos anos 90 por Michael Faukner, o trabalho abrange diferentes mídias: design, arquitetura, instalação, fotografia e vídeo.

Baseado num período de investigação de 3 meses, o espetáculo Latitude [31º 10N/121º28E], concebido em parceria com artistas chineses, combina fragmentos de diálogos, espaços desertos e arquitetônicos tradicionais com paisagens urbanas da China, traçando uma multiplicidade de percursos de identidade na China cosmopolita. No Multiplicidade, os membros do coletivo Toby Harris e Douglas Benford apresentarão Latitude [31º 10N/121º28E] ao vivo, remixando as imagens gravadas na China e editando cenas junto com batidas e ambiências sonoras disparadas no momento.

Peter Greenaway´. “Tulse Luper VJ Performance” . dia 18 de novembro
Greenaway tornou-se conhecido mundialmente pelos filmes que realizou em suporte e formato mais ou menos tradicionais entre as décadas de 80 e 90, como “O Cozinheiro, o Ladrão, Sua Mulher e o Amante” e “O Livro de Cabeceira”. Hoje, Peter Greenaway aposta num novo cinema, que interage com o uso inventivo das novas tecnologias. Greenaway investiga a convergência destas novas mídias digitais em busca de novas linguagens. Segundo ele, o cinema como nós o conhecemos está morto. Na performance Tulse Luper Suitcases, que Greenaway já apresentou em São Paulo no ano passado, o artista cria uma modalidade imersiva e eletrônica de cinema. O artista conta, à maneira de um game, a vida de Tulse Luper, escritor e projetista que nasceu em 1911, em Newport, South Wales, e desapareceu em 1989, depois de passar anos entre prisões. Greenaway utiliza uma interface de alta definição de 50 polegadas ‘’touch screen’’ para reelaborar os filmes e histórias que envolvem o personagem, suas malas e objetos pitorescos.

Chelpa Ferro e Orquestra de Jaques Morelenbaum . dia 16 de dezembro

O coletivo carioca Chelpa Ferro fecha a programação do Multiplicidade em 2008 com um espetáculo inédito junto a uma orquestra regida especialmente por Jacques Morelembaum. O grupo transita entre a música e a arte visual tecnológica sempre com muita experimentação e tem um extenso currículo ligado tanto a performances como ao circuito de artes plásticas, nacional e internacional.